#PHpoemaday – #Dia06 – #OmolhodeChaves

Era uma quinta – feira chuvosa.

Lá na vila  Sudão ficava tudo lameado quando chovia,  porque as ruas não eram pavimentadas.

O último prefeito até prometeu colocar asfalto, mas não asfaltou não… Ficavam mesmo no lamaçal quando chovia e na poeira quando estiava.

Pereirinha era o chaveiro do lugar e todo mundo que precisava de chaves o procurava e ele exercia bravamente o seu ofício, que apesar de mal remunerado, conseguia pagar o aluguel do barraco e também comprar a comida do mês. Para luxo o dinheiro não dava não… então ele era realmente paciente… Era um homem calado, misterioso e muito solitário… mas não reparavam muito nele não… Passava despercebido. No fundo, no fundo, era isso que ele queria.

Nesse fatídico dia, porém, essa senhora apareceu… Nunca ninguém da vila tinha a visto  por ali… e ela com seu andar marcante e elegante, parecia pairar sobre a lama,  seu olhar forte e penetrante, metalizado pelas gotas da chuva,  aproximou-se do seu bianguinho e sem falar uma única palavra entregou o molho de chaves na mão do homem que apesar de atônito segurou fortemente, pois enfim o grande dia chegou.

O dia que ele sempre esperou, aconteceu.

Pereirinha sabia exatamente o que fazer quando a mulher finalmente deu as costas e desapareceu. O brilho do seu olhar dizia tudo…

Renata Amemiya

 

TRIBO AFRICANA

Desconstruir e apontar o erro é fácil… mas apoiar e mostrar o caminho é muito mais eficiente! Gostei muito dessa matéria que o blog Vivimetalium postou e compartillho aqui com vocês!

VIVIMETALIUN

Há uma “tribo” africana que tem um costume muito bonito. Quando alguém faz algo prejudicial e errado, eles levam a pessoa para o centro da aldeia, e toda a tribo vem e o rodeia. Durante dois dias, eles vão dizer ao homem todas as coisas boas que ele já fez. A tribo acredita que cada ser humano vem ao mundo como um ser bom. Cada um de nós desejando segurança, amor, paz, felicidade. Mas às vezes, na busca dessas coisas, as pessoas cometem erros. A comunidade enxerga aqueles erros como um grito de socorro. Eles se unem então para erguê-lo, para reconectá-lo com sua verdadeira natureza, para lembrá-lo quem ele realmente é, até que ele se lembre totalmente da verdade da qual ele tinha se desconectado temporariamente: “Eu sou bom”. Sawabona Shikoba! SAWABONA, é um cumprimento usado na África do Sul e quer dizer: “Eu te respeito, eu te…

Ver o post original 18 mais palavras