Papo Giz: A língua do Pê

O-po lá-pá! Tu-pu do-po bem – pem?

Se você leu até aqui e entendeu, parabéns! Você é fluente na língua do Pê!

Quando eu era criança minha mãe falava na língua do Pê, bem rápido e eu ficava ali sem entender bulhufas…rssss!

Mas, com o passar dos anos eu comecei a entender como funciona, já que na escola a língua do pê era diferente.

P-e P-ra P-as P-sim:

P-vo P-cê P-co P-lo P-ca P-a P-le P-tra P-P P-an P-tes P-da P-sí P-la P-ba.

Eu prefiro do jeito da minha mãe. Fica mais sonoro, parece mesmo uma outra língua…kkkk

Porque eu classifiquei esse post como papo giz? “Sim, estou de férias!” mas, você sabe que professora e mãe não tiram férias, né…rssss E imagina quem é mãe e professora…nem queira saber…rssss!!! Brincadeirinha…

Classifiquei assim, porque através da língua do Pê podemos explorar vários conteúdos interessantes com os alunos, como por exemplo: a importância da separação das sílabas, porque muitos exercícios para separar as sílabas são sem sentido e as crianças não entendem porque tem que mecanicamente separar sílabas das palavras, e através do jogo do Pê, elas terão que saber exatamente onde as sílabas começam e terminam para executar bem a nova língua e poderem comunicar-se com eficácia para serem compreendidos. Afinal, a regra é que a cada  sílaba o P apareça, ou da primeira forma que eu mostrei:

Re-pe na-pa ta-pa: Renata

OU da segunda forma:

P-re P-na P-ta: Renata

Eu comecei ensinar aqui em casa e o Paulinho já está pegando o macete, rsss… a Mari ainda não…mas com o tempo ela se habitua.

dscn0194Enfim, uma brincadeira oral tradicional, que desenvolve o raciocínio, a criatividade, pode estar inserida em forma de jogos para desenvolver conteúdos na área da linguagem e a criança aprende brincando.

Recado dado!

Es-pes  pe-pe ro-po que-pe vo-po cê-pe te-pe nha-pa gos-pos ta-pa do-po!

Quem-pem gos-pos tou-pou dei-pei xa-pa um-pum re-pe ca-pa-do-po pa-pa ra-pa mim-pim na-pa lín-pim gua-pa do-po pê-pê!

Fe-pe liz-piz a-pa no-po to-po do-po!!!

Renata

Vamos começar pelo começo?

Vai chegar o  dia, que ao andar pelas ruas, verei as crianças, os jovens, os idosos,

Todos juntos, numa cidade que Educa para o futuro,

num Estado que acolhe, que resgata e que planeja suas ações a partir daquilo que a sociedade

realmente almeja. Cidadãos dignos, que tiveram acesso a educação, que tem como referência

de melhorar de vida, a Educação e a Escola.

Tudo isso no país que acordou e viu que só teremos o que precisamos, só veremos o progresso, se todos tiverem a chance de Estudar, em uma ESCOLA que tem condições de receber as famílias,

orientar os pais, materiais pedagógicos para os alunos, formação e valorização  para os professores.

Vai chegar o dia… vai chegar o dia… não para inglês ver, para que eu veja!!!

Feliz ano todo!

Renata.

 

Eu sou professora!

Quando iniciei a escrita do blog me encontrava em frangalhos emocionais pedagógicos…digamos assim…rs!

Muita coisa havia mudado na educação da cidade que trabalho e de uma forma diferente que estava acostumada a lidar.

Isso fez com que eu ficasse decepcionada com as ações, com experiências vivenciadas, com o que eu ouvia e com que eu via.

Então entrar aqui neste mundo wordpress me dava uma liberdade de ser eu mesma, “dizer” da forma que eu quisesse, não receber aquele olhar 43 da indignação dos que esqueceram o que é a prática,  e na ocasião não queria de forma alguma ligar esse meu paraíso com o que eu estava vivendo na prática.

Então, tudo o que eu falei aqui, vinha de experiências como mãe, esposa, curiosa, pesquisadora, menos aquilo que eu mais me preparei para fazer na vida…kkkk!!!!

Vou contar para vocês, são 21 anos de ofício! Estou dobrando o cabo da boa esperança do magistério…rsss… Tenho muita história para contar para quem quiser ouvir…rs

Vocês podem me perguntar:

_ Vale a pena passar por tanta pressão psicológica para viver em uma profissão que não é valorizada de modo algum hoje em dia?

Quantos exemplos trágicos estamos vendo na mídia…né?

E nesse espaço, quero demonstrar que estou me curando dessa decepção que vivi estes últimos tempos e procurar dialogar mostrando as pessoas queridas que pensam no magistério como um alvo, como uma meta, como uma missão de vida, que apesar dos pesares, sim vale a pena.

Então, de vez em quando vamos ter o Papo Giz, kkkk!!!

Hoje foi a introdução para contextualizar os momentos que vivi e o que estou superando no dia a dia. A minha luta foi particular e tanto meus alunos, quanto a comunidade que atendi, quanto os meus registros burocráticos foram todos honrados. Deus sabe! Deus me dando a mão e andando comigo.

Beijocas e estou muito feliz em poder compartilhar com vocês esse meu momento.

Vou colocar essa foto, porque estava tudo cinza e de repente e devagar vai tudo colorindo…

Eu, professora

Eu, professora 

Feliz ano todo!

Renata –

 

#Circo Escola

Hoje recebemos a visita do Circo Escola na nossa Escola. O circo escola é um projeto educacional tradicional da cidade em que trabalho. Antigamente, íamos a algum pólo do bairro  e as crianças podiam ter experiências circenses também.

Os professores do circo fazem uma apresentação para as crianças. Contam uma história e fazem shows tradicionais, com palhaço, equilibrista, contorcionista, enfim, uma grande festa e muita diversão para a garotada.

Vejam em imagens como foi divertido!

DSCN6224 DSCN6233 DSCN6246 DSCN6241 DSCN6257 DSCN6248

Como vocês sabem gosto de circo…rsss…

As crianças aprovaram!!!

Beijocas,

Feliz ano todo!

Renata

Mãe de primeira viagem: Dica para escola

Já fui mãe de primeira viagem.

Sei das grandes questões que circundam nosso cérebro… todas as dúvidas possíveis, não é mesmo?

Porém, uma delas é em relação a Escola que colocaremos nosso filho. Conseguimos deixar o Paulinho até os dois anos em casa com a vovó… mas não é a realidade de todas as crianças, inclusive, a Mari foi para a Escola com 10 meses…!

Para procurar a primeira escola, você deve atentar-se a algumas normas de segurança do ambiente, da proposta pedagógica, da sua realidade, e principalmente, daquilo que você sente ao chegar ao local…

Quando estive procurando a escola para o Paulinho, senti esse amor no primeiro instante. E as minhas expectativas não estavam erradas. Fomos felizes e ainda somos pois a Mari permanece.

Mas, a dica que eu quero dar hoje é sobre como  os professores podem  conhecer o seu fiho, os hábitos dele e melhorarem a qualidade do atendimento dado a ele.

Fiz um pequeno relatório com as informações que eu achava mais relevante na época que eu o matriculei. Levando em conta que ele ficaria o dia todo na Escola, fiquei muito aflita… queria que soubessem como ele era, porque se estivesse alguma coisa fora do padrão teriam paciência com o meu filho em ensiná-lo da melhor forma… Principalmente pelo fato que ele não se alimentava sozinho com dois anos… Hoje eu sei que foi excesso de proteção, poderia ter sido diferente, mas não foi, fiz o meu melhor para a época.

O relatório ficou assim:

São Bernardo do Campo, 24 de agosto de 2010.

 

Olá Viviane, tudo bem?

Decidimos colocar o Paulinho na sua Escola, pois tanto eu quanto o Marcos gostamos do espaço físico da instituição, da aparência cuidadosa do local e da sua atenção conosco, pais de primeira viagem, inseguros.

Há um espaço importante na ficha de matrícula que é em relação aos cuidados que vocês precisam saber sobre a atenção ao aluno. Achei bem interessante esse campo e me deu espaço para relatar como cuidamos dele aqui em casa e na residência de minha mãe, que é onde ele ficou esses dois anos enquanto eu trabalhava.

Bom, em primeiro lugar ele gosta de dormir até um pouquinho mais tarde. Tem dias que eu deixo dormir até as 10 horas da manhã. Ele toma leite Ninho 1+, de manhã. Ainda não sabe segurar o copinho sozinho. Não usa mamadeira, toma o leite no copinho ou na xícara. Sempre misturo com um pouco de chocolate em pó. Come biscoito de maisena e cream cracker (nunca comeu bolacha recheada), pão, pão de queijo, bolo, banana, maçã cortadinha com casca, mamão. No almoço ele come de tudo, só que eu amasso com o garfo e dou na boca dele. Já fez algumas tentativas de comer sozinho, mas faz aquela bagunça. Danoninho até que ele come sozinho com a colherzinha. Quando está com sede costuma pedir água. Aliás, eu sempre deixo o copo de água a mostra para ele se lembrar de beber água.  À tarde, ele dorme aproximadamente duas horas. Mas na Escola você pode fazer com que ele tenha outra rotina.

Ainda usa fraldas, mas nunca teve uma assadura. No início quando eu não sabia comprei uma fralda chamada Cremer. Aí percebi que dava alergia nele e não a usei mais. Só uso pomada Dermodex. Ele fica incomodado quando está com as fraldas sujas, algumas vezes ele até avisa. Costuma fazer xixi na hora que acorda. Geralmente, faz cocô de manhã.  Escovo os dentes dele após as refeições com um creme dental sem flúor chamado Malvatrikids.

Ele está começando a falar. Reconhece algumas cores, conta até 10, corre, pula e salta.

Influenciado por um desenho da TV ele está começando a falar algumas letrinhas. Vejo nele interesse em aprender. Gosta de desenhar, principalmente nas paredes.

É um garoto alegre, afetuoso, sabe se defender.

Espero que este pequeno relato ajude a compreender um pouquinho do Paulinho.

Qualquer dúvida, existem nossos contatos na ficha de matrícula.

Atenciosamente, Renata e Marcos.”

DSC05297

Gente, ele era desse tamanhinho… compreendam…rsss…!

Compartilhe alguma dica para o ingresso das crianças na escola aí nos comentários.

Beijocas

Feliz ano todo!

Renata

Do controle que temos de tudo …

… ou não…

OU: o primeiro passeio dos filhos com a escola (sem a mamãe)

Amigos,

Realmente, a sensação que eu via no rosto das mães quando chegava o dia do passeio na escola tem razão de ser. Ao menos agora faz sentido para mim…hahaha!!!

É díficil até colocar em palavras o meu sentimento em relação a isso… mas vou tentar e espero que vocês possam comentar também se já viveram alguma situação semelhante em alguma instância. Certo?

Antes de ter filhos eu tinha um tipo de pensamento e um tipo de discurso. Achei que seria mais desencanada e leve…rssss…. mas não… me deu um clic reverso e hoje sou uma mãe do estilo “galinha choca”, “tá frio, põe muito agasalho”, e afins… E abro o jogo para vocês que o Paulinho desde os dois anos na escola nunca havia ido ao passeio.

Então, esse ano eu resolvi deixar por alguns motivos e a Mari também teria que ir, já que quero que vivenciem juntos algumas experiências…

Até ai estava muito racional e objetiva. Controlando a situação como um todo.

A parte do não controle se deu no momento que deixei os dois na escola para o passeio de dia todo… Só iria revê-los após 6, 7 horas… Desde que a Mari nasceu trabalho menos horas oficiais para poder cuidar deles em um período do dia.  Então esse tempo todo sem a agitação habitual do dia está fora do controle…

Misto de vários sentimentos viu gente?!?

Ainda não posso dizer: “olha para superar isso, faz isso , nessa situação… preciso absorver essa emoção.

Não sei  se me fiz entender. Espero que sim! Só queria dizer. A Rita Lisauskas fez um post semelhante a esse, e enquanto eu lia eu ria por dentro… Quem quiser ler o post dela clica AQUI e divirta-se!

Superação, controle emocional e drama – receita de um dia de passeio, aliás, o primeiro passeio de muitos!!!

Feliz ano todo!

Renata

 

Projeto New Hope – Mudando vidas

Vocês sabem muito bem o quanto as crianças merecem crescer com dignidade e respeito em qualquer parte do mundo,seja aqui no Brasil, seja no Japão, seja na África.

Na África existe este pólo abençoador de vidas que merece nossa atenção!

Por favor! Visite o site e se possível também ajude! Inclua o projeto nas suas orações todos os dias. Eles também tem um canal no Youtube (linkei um dos vídeos aqui no post e já me inscrevi).

Projeto New Hope

Abraços e que tenhamos todos os dias um feliz ano novo!!!

Beijocas

Renata

Historinha

Ou:  De como eu sou

Ou: Sim, eu lembro!

wpid-20140227_091018.jpg(Eu, com 6 anos)

Estamos, agora, no ano de 1980. Ano Internacional da Criança!

Neste ano eu era uma criança de 6 anos, a partir do dia 28/02/1980. Tinha acabado de mudar de escola. Agora iria estudar na Escola Municipal de Educação Infantil perto da minha casa, no meu bairro.

Na minha visão infantil era uma escola enorme, linda, cheia de vidros, parecendo um grande aquário! Tinha parques, casinha de madeira do tamanho ideal para criança com pequenos móveis e até piscina.

Mas era na relação com as outras crianças que as coisas aconteciam. Me explico: na minha sala de aula tinha uma garota que era líder com outras que obedeciam e tinha também as excluídas que ninguém brincava e , nesse cenário todo, eu… recém chegada.

Na minha percepção das coisas, apesar de ser tímida, eu queria fazer parte do grupo, me tornar amiga de todos… e fiquei pensando em uma estratégia para me aproximar, ser aceita e ser amiga delas. Notem que eu não distinguia ainda esses dois grupos de pessoas, subordinadas e excluídas… queria ser amiga de todos.

Em um belo dia, na minha sabedoria infantil, escondi um monte de doces na minha “sacolinha”(era assim que se chamava a bolsa na pré escola na época).

A estratégia era simples: dividir os doces, escondido da professora, com todas as coleguinhas na hora da brincadeira e então “voi’lá” , aconteceria o esperado para mim: BFF (best friend forever). Simples, não?

Porém, como eu disse a turma era dividida, e eu tinha uma estratégia para o coletivo…rsss…

Acontece que na hora que apresentei o doce para todas, a menina que liderava a turma gostou e pegou o doce. Mas ela advertiu:

_ Se você der para a “fulana, siclana e beltrana” você não pode ser minha amiga.

As “excluídas”…

Percebam a minha idade (6anos). Nessa época também não se trabalhavam os valores  e princípios na escola. Trazíamos a nossa educação de casa. Nessa parte, em questão, entendedores, entenderão…

Desfecho: eu dividi o doce com todas as meninas excluídas… dei para as submissas, para as excluídas e também comi.

Conclusão: apesar de não me lembrar da líder, lembro exatamente quem era a principal excluída… lembro o nome dela, quem ela é… e torço sempre por ela.

Ainda sou assim…! Não gosto de injustiças, polêmicas, perseguições… Já ouvi: Você vive num conto de fadas, né? Agora o que diz a Palavra de Deus: Se os nossos olhos forem bons, todo seu ser também será bom!

Tenha bons olhos! Espero que essa historinha tenha feito sentido…hahahaha!!!!

Gostei de contar!  Você tem alguma para compartilhar? Deixa ai nos comentários.

Um feliz ano novo! Beijocas!!! Renata.RENATINHA1974