#PHpoemaday – #Dias: 23,24 e 25 #atrasados…

Dia 23:Uma releitura: O mágico de Oz

Vermelho sangue,
Ímpeto, coragem e
Ternura.
A felicidade está dentro de nós!

Dia 24: Antes da meia noite

Sorrir foi sempre seu maior defeito.
Nas horas boas e nas não tão boas ela sorria, sorria, sorria.
E justo naquele dia, o fatídico dia, ela não conseguiu sorrir.
Iria fazer toda a diferença e ela não sorriu.
Olhou para o relógio e entendeu tudo:
23:59…

Dia 25: A realeza

Aquele terno olhar a tornou a maior e melhor das mulheres.
Sentiu-se com uma importância, com uma imponência, como se fosse uma rainha. Mas, assim que voltou a si, percebeu o que fizera e apesar de tudo o que sentiu, dessa conexão que tiveram, sabia que devia fazer o certo…
O bebè então chorou…
Continuou a correr , não teve forças!

#PHpoemaday: #Dias: 17,18,19,20 e 21…#Atrasado

Dia 17: O ranger dos dentes

Toda sorrisos por fora,
Mas tristeza profunda por dentro,
A sua vida fora do eixo
Ranger dos dentes
Trincado coração.

Dia 18: A transexualidade

Contraponto
Direto ao ponto
Ponto a ponto
Ligação:
De dentro para fora
De fora para dentro
Complexa situação!

Dia 19: O gerúndio

_Vai ficar tudo bem!
dizendo isso,
pensando nisso,
vivendo assim,
Ana continua caminhando
Transformando o sofrer em prazer
Seguindo sempre em frente
Buscando vencer.

Dia 20: O parque de diversões

Dia das crianças.
Na Cidade das Crianças, anos 80…
Quem é da época e da região do ABC, em São Paulo, pode imaginar o quão lotado ficava esse parque.
Mãe e filha foram comemorar a data em grande estilo, apesar do pouco dinheiro que tinham.
De repente, sem entender porquê, a mão da mãe não segurava mais a mão da filha, misturaram-se na multidão e não mais se viram…
A filha não consegue ver sua mãe, triste, chorou…
Mãe caminhando, procurando, gritando, anunciando no alto falante…
Filha, chorando, chorando, chorando, andando…
Mas em frente ao simulador de vôo, um grande avião de brinquedo, com uma fila quilométrica para as pessoas experimentarem altas aventuras, mãe e filha se vêem, correm uma de encontro a outra e se abraçam!
Nunca mais se separaram!

Dia 21: A pedra do reino

Silvério passando no campinho, viu aquele amontoadinho de pedras no cantinho e achou engraçado… Ficou com vontade de chutar a maiorzinha e o fez! Chutou e foi embora.
Naquela noite, todo o reino FKZ da dimensão GX ficou em luto com a morte de sua rainha.
Todo o seu palácio foi vítima de um ataque terrorista hoje a tarde durante o pouso padrão.

Renata Amemiya

#PHpoemaday – #Dia11 #Dia12

Dia 11 – Eutanásia

De todas as questões da vida
Tem uma que nunca quero pensar,
nem responder…
“_ É pra mandar pra eternidade ou deixar assim viver?”

 

Dia 12- O equilibrista

Existe uma linha muito tênue entre o amor e a loucura.
Josh sabia bem disso…
Por tanto amor (?) havia sido internado nesse Centro de Reabilitação Mental há 12 anos e por mais que explicasse que o que sentia era além da conta mas não era loucura, sua psiquiatra não lhe dava alta, e pelo contrário o fitava sempre com um olhar inquisidor e ele sabia que a cada sessão ele não poderia ver aquilo que lhe preenchia e após tantos anos ainda o enchia de esperança.
Na sessão de hoje, Mary Fine, a psiquiatra, recebeu uma triste notícia: Josh Garden, o equilibrista, enforcou-se.
Ela calmamente agradeceu a informação e lentamente fechou a porta do seu pequeno e escuro escritório.
Sentando-se em sua mesa, olhou para o longo prontuário de Josh, observou sua foto 3×4 envelhecida pelo tempo, e chorou…
Um choro amargo de um grande amor recolhido, não vivido…
Abriu a gavetinha que ficava ao lado esquerdo da mesa e protagonizou o ato final.

Renata Amemiya

#PHpoemaday – #Dia06 – #OmolhodeChaves

Era uma quinta – feira chuvosa.

Lá na vila  Sudão ficava tudo lameado quando chovia,  porque as ruas não eram pavimentadas.

O último prefeito até prometeu colocar asfalto, mas não asfaltou não… Ficavam mesmo no lamaçal quando chovia e na poeira quando estiava.

Pereirinha era o chaveiro do lugar e todo mundo que precisava de chaves o procurava e ele exercia bravamente o seu ofício, que apesar de mal remunerado, conseguia pagar o aluguel do barraco e também comprar a comida do mês. Para luxo o dinheiro não dava não… então ele era realmente paciente… Era um homem calado, misterioso e muito solitário… mas não reparavam muito nele não… Passava despercebido. No fundo, no fundo, era isso que ele queria.

Nesse fatídico dia, porém, essa senhora apareceu… Nunca ninguém da vila tinha a visto  por ali… e ela com seu andar marcante e elegante, parecia pairar sobre a lama,  seu olhar forte e penetrante, metalizado pelas gotas da chuva,  aproximou-se do seu bianguinho e sem falar uma única palavra entregou o molho de chaves na mão do homem que apesar de atônito segurou fortemente, pois enfim o grande dia chegou.

O dia que ele sempre esperou, aconteceu.

Pereirinha sabia exatamente o que fazer quando a mulher finalmente deu as costas e desapareceu. O brilho do seu olhar dizia tudo…

Renata Amemiya

 

#PHpoemaday – #Dia04: #Silêncio

Há um silêncio ensurdecedor e solitário

nas gotas de chuva que caem no telhado

Nas lágrimas rolando pela triste face

No riacho cristalino em meio a uma grande floresta escura, deserta e sem vida

Nas correntes que se arrastam

Mas são as batidas de um coração cúmplice e  apaixonado

que  acalentam e transformam a solidão silenciosa em um mar agitado e contínuo

Vivo.

#PH Poem a day- Dia 14: O que eu gostaria de ter dito

Olá, hoje só vou compartilhar os que mais gostei, pois o que eu produzi ficou muito pessoal e muito pouco literário… enfim, é a vida…rsss!

Lá no grupo do Facebook está muito divertido! As pessoas compartilhando suas poesias, textos, e todo tipo de gênero, com tanto respeito um pelo outro… Estou fazendo amizades bem legais,  portanto vou resgatar dois ou mais, de tantos maravilhosos que tem por lá para compartilhar aqui com vocês. Perdoem-me por hoje, ok?

Estou esperando a autorização das pessoas  e vou editar quando liberarem, ok?

Beijocas,

Feliz ano todo!

Renata

PS: Se você é do grupo e aqui do wordpress se me autorizar eu reblogo, ok? Beijocas!